Skip to content

Bush fratura perna e pode perder 6 semanas

21/09/2010

Na partida dessa segunda-feira, Reggie Bush fraturou a fíbula da perna direita e deve ficar de fora entre 4 a 6 semanas.

Já no 4º quarto, Reggie Bush em um retorno de punt, deixou a bola bater no peito e logo recuperou a bola no chão mas foi atingido na perna por um defensor causando a lesão.

Bush disse que o forte vento mudou a direção da bola fazendo com que ele não conseguisse o retorno. Poucos minutos depois o retornador do 49ers teve o mesmo problema. (via DiarioNFL)

Anúncios

San Francisco 49ers 22×25 New Orleans Saints

21/09/2010

SAN FRANCISCO 49ERS 22×25 NEW ORLEANS SAINTS

20 de setembro de 2010, Candlestick Park, San Francisco, CA

Melhores momentos do jogo aqui

Quem achava que o jogo seria uma moleza, se surpreendeu na noite de ontem, no confronto entre New Orleans Saints e San Francisco 49ers, no primeiro Monday Night Football da equipe de Drew Brees e companhia. A vitória por 25 a 23 foi conquistada no segundo final da partida, em um Field goal do kicker Garrett Hartley.

O jogo parecia que seria dominado pelo Saints: logo no primeiro drive, o Center do Niners errou feio, jogando a bola para sua própria end zone. Pressionado pela defesa do Saints, o quarterback Alex Smith não teve alternativa se não jogar a bola para fora, dando dois pontos para o Saints (safety). Como o 49ers tendo que devolver a bola, Drew Brees iniciou a campanha já no campo ofensivo. Alternando corridas (duas de Pierre Thomas para 8 jardas e uma de Reggie Bush para 3 jardas), e passes curtos (Brees completou 4 passes de 4 tentativas, para 35 jardas e 4 recebedores diferentes), o Saints ampliou o placar após Bush receber passe de 6 jardas de Brees, entrando facilmente na end zone. New Orleans 9×0 San Francisco.

Os 49ers tentaram correr com o running back Frank Gore, mas não conseguiram o first down, em mais um belo trabalho da linha defensiva. Porém, o forte vento atrapalhava as tentativas de passes longos de Brees, e a defesa adversária parava com eficiência os corredores do Saints. Após algumas alternâncias de posse de bola, no início do segundo quarto, o quarterback Alex Smith se aproveitou da estratégia defensiva do Saints, que usava os linebackers e os safetys para as blitz: com isso, conectou um passe de 12 jardas para Gore, que diminui a vantagem. Saints 9×7 49ers.

O jogo ficou morno, com as defesas se sobressaindo contra os ataques. O Saints não conseguia grandes corridas, e Brees parecia muitas vezes travado. Os únicos passes que davam certo era com os tigh end e os screen pass, mas logo a defesa do 49ers conseguiu neutraliza-los. Uma frase que resume o jogo após o TD de Gore: “A marquinha de camisa no braço do Brees continua sendo a coisa mais interessante nesse ataque (do Saints)”, dita por Caio Rossini, durante o chat da comunidade NO Saints do orkut.

Volta do intervalo e muita emoções.

As homenagens ao ex – wide receiver e ídolo do 49ers Jarry Rice fez com que a equipe de San Francisco voltasse mais ligada no jogo. Após dois belos passes de Smith (32 jardas para Crabtree e 41 jardas para Vernon Davis), o RB novato Anthony Dixon marcou seu primeiro TD na NFL, em uma corrida de 2 jardas, colocando a equipe da casa na frente do placar. Saints 9×14 49ers.

A alegria durou pouco, mais precisamente, um drive. Mais uma vez alternando entre corridas e passes curtos (vento, novamente), o Saints chegou na red zone, e Brees conectou um passe de 3 jardas para o tigh end David Thomas, recolocando a equipe na frente do placar. Saints 16×14 49ers.

O último quarto foi responsável por grandes jogadas e muita tensão. Garrett Hartley, logo na primeira jogada, converteu um Field goal de 46 jardas, aumentando a vantagem para 18 a 14. Na posse de bola seguinte, Alex Smith foi interceptado por Tracy Porter, ocasionando o terceiro turnover da noite (Roman Harper já havia interceptado Smith no primeiro drive, e Jenkins recuperou um fumble forçado por Vilma). Mais uma vez a defesa de San Francisco sobrou em campo, fazendo o Saints devolver a bola. Porém, a defesa do Saints também se manteve soberana, forçando os Niners a devolver  a bola. No punt, Reggie Bush não conseguiu segurar (vento novamente), tendo que se jogar para recuperá-la. O lance ocasionou uma fratura na perna direita de Reggie (leia mais no próximo post), tirando do jogo.

Com Brees apagado, o Saints devolveria a bola mais uma vez para San Francisco, porém, uma falha do recebedor P. Adams fez o ataque de New Orleans continuar em campo: após o punt de Morstead, o recebedor não conseguiu segurar a bola, e Courtney Roby recuperou, deixando o ataque na linha de 15 jardas. Mesmo assim, o Saints não conseguiu marcar o TD, e Hartley converteu seu segundo Field goal na noite, dessa vez de 19 jardas. Saints 22×14 49ers.

Faltando 2 minutos e 8 segundo para terminar a partida, e sem nenhum time out, Alex Smith começou a campanha para tentar empatar o confronto. Para isso, teria que marcar o touchdown e conseguir a conversão de dois pontos.  Foram cinco jogadas de passe, além de duas corridas do próprio Smith, deixando o ataque do 49ers na linha de 7 jardas ofensiva. Com isso, a bola foi para as mãos de Frank Gore, que correu para seu segundo TD na noite. Na conversão de dois pontos, Alex Smith encontrou Vernon Davis. A princípio, a arbitragem não considerou que Davis conseguiu entrar na end zone, mas após rever o lance, voltaram atrás e marcaram a conversão como boa. Partida empatada, Saints 22×22 49ers.

Faltando 1 minuto e 19 segundos para o término da partida, que iria para o over time, a torcida da casa já fazia festa pelo heróico empate. Porém, o New Orleans Saints tem Drew Brees! Com passes de 8 e 14 jardas para Pierre Thomas, um de 4 jardas para Shockey  e um GENIAL de 30 jardas para Colston, Brees fez a bola chegar até a linha de 19 jardas. E lá foi ele, Garrett Hartley, que no primeiro jogo errou três fields goals. Aproveitando o vento a favor, Hartley não decepcionou, e com o relógio marcando 2 segundos para o fim, o kicker converteu o chute de 37 jardas! Saints 25×22 49ers, e o tão esperado início 2-0!

Top Performers

Passing: A. Smith (SF) – 275 YDS, 1 TD, 2 INT

Rushing: F. Gore (SF) – 20 CAR, 112 YDS, 1 TD

Receiving: V. Davis (SF) – 4 REC, 78 YDS

New Orleans Saints 14×09 Minnesota Vikings (post match)

10/09/2010
NEW ORLEANS SAINTS 14×09 MINNESOTA VIKINGS Melhores momentos
Galeria de Imagens: aqui
O New Orleans Saints deu as boas vindas à nova temporada com uma vitória contra o Minnesota Vikings, na noite dessa quinta-feira (09/09), repetindo o feito da última temporada, quando venceu a equipe liderada pelo vovô Favre na final da NFC.
Se no último jogo os ataques de ambos os times se sobressaíram, dessa vez foi diferente: as defesas seguraram os quarterbacks, deixando um placar aquém do esperado.
Logo na primeira campanha o Saints conseguiu um touchdown em uma bela campanha do ataque que culminou em um passe de Drew Brees para Devery Henderson. Foram 3 passes completos de 4 tentativas, para Colston (24 jardas), Moore (10 jardas) e Henderson (TD, 29 jardas), e uma corrida de Reggie Bush para 8 jardas.
No drive seguinte, a defesa do Saints parou Brett Favre, ou melhor, Adrian Peterson: nas três descidas, a bola foi entregue ao running back, que não conseguiu o first down, e devolveu a bola para o Saints.
A partir daí foi uma alternância de bons passes com chamadas no mínimo estranha e receivers com manteiga na mão, droppando bolas fáceis que até o nosso querido Will (chat NO Saints) pegava.  E o que iria acontecer por toda a partida.
No início do segundo quarto, os Vikings conseguiram um Field goal de 41 jardas, com Ryan Longwell, mais uma vez após um drive repleto de corridas de A. Peterson. Apesar do variado números de recebedores, a jogada aérea de Drew Brees ficou manjada, e a defesa do Vikings se sobressaiu durante todo o segundo quarto. Também pudera, antes do intervalo, foram apenas 3 tentativas de corridas por parte do Saints. Enquanto Thomas Morstead devolvia a bola, e Garrett Hartley errava um Field goal de 46 jardas, Adrian Peterson seguia correndo e cansando a defesa do Saints, até que Brett Favre tirou um coelho da cartola e lançou um belo passe de 20 jardas para Visanthe Shiancoe fazer uma excelente recepção e colocar os Vikings na frente. Na conversão, Longwell teve o chute bloqueado pelo grande (sem ironias!) R. Ayodele. Final do segundo quarto.
No terceiro quarto, o Saints voltou com uma mentalidade diferente, e passou a balancear mais o jogo. Logo no primeiro drive, Thomas correu 6 vezes com a bola e Bush uma vez, levando o Saints ao touchdown na corrida de 1 jarda de Pierre Thomas. A defesa do Saints seguia parando Brett Favre e Adrian Peterson. Enquanto isso, o ataque passou a mesclar entre jogo corrido e aéreo, controlando o relógio. Se nos dois primeiros quartos foram apenas 3 corridas, nos dois últimos foram 18 tentativas!
No último quarto Hartley ainda perdeu o segundo Field goal da noite, dessa vez, de 32 jardas. Por sorte, Favre estava nervoso, e Peterson (que não cometeu nenhum fumble dessa vez), não conseguia furar a forte linha defensiva do Saints. Com o jogo corrido, Brees apenas ministrou o tempo, e ajoelhou três vezes para garantir a primeiro vitória na temporada para o New Orleans Saints. Who Dat?!?!
Destaques do Jogo:
Drew Brees e a variedade: Se não foi genial, conseguiu ser bastante regular, acertando 27 de 36 passes, para 237 jardas, 1 touchdown e nenhuma interceptação.  Além disso, lançou para NOVE recebedores diferentes, entre WRs, TEs e RBs.
Defesa: A defesa do Saints beirou o impecável! Foi apenas um sack (Sedrick Ellis) e uma interceptação (Vilma), mas o setor dominou as ações de Favre e Cia. Destaque para Jabari Greer, que realizou 5 tackles solo, e Scott Shanle, com 5 solos e 2 assistência para tackles. A secundária foi muito bem, tirando várias bolas das mãos dos recebedores de Favre, e parando Adrian Peterson. A defesa contra o jogo corrido surpreendeu a mim e creio que a todos. Favre acertou apenas 15 de 27 passes, 1 TD e uma interceptação feita por Jonathan Vilma e Peterson teve que se contentar com 87 jardas e nenhum TD.
Linha ofensiva: Foi fantástica! Brees foi sackado apenas uma vez, e praticamente não recebeu nenhum hit. Além disso, abriu espaços para as corridas de Pierre Thomas, fundamentais para controlar o relógio e vencer a partida. Apesar de um ou outro erro, Jermon Bushrod foi o grande nome da OL: além de contribuir com muita agilidade para o jogo corrida, ainda parou Jared Allen, que nem encostou nos pads de Drew Brees.
Mescla de jogo: Se no primeiro e no segundo quarto o Saints só utilizou o jogo aéreo, nos dois últimos passou a correr com a bola, e com isso controlou o relógio. A meu ver, foi uma bela estratégia do excelente Sean Payton: fez os Vikings acreditar que iríamos apenas com o jogo aéreo, para correr com a bola e surpreende-los no final da partida.
Destaques negativos do Jogo:
Garrett Hartley: Sempre defendi o nosso kicker, mas contra os Vikings ele errou dois Field goals, um de 46 e o outro de 32 jardas. Poderia ter atrapalhado as ambições da equipe.
Droppadas: O que aconteceu com Moore, Colston, Henderson e Cia? Comeram muita pipoca antes do jogo e não deu para limpar a manteiga? Foram, no mínimo, 5 droppadas incríveis, bolas fáceis e que poderia ter prejudicado o andamento do jogo. Além de uma dentro da end zone (Henderson, -na verdade foi o Meachem, obrigado Marco!-), que seria TD e deixaria a partida mais tranqüila.
MVP do Jogo:
Tarefa difícil escolher um jogador para MVP. Jabari Greer foi perfeito, Brees foi regular e acertou o que queria (se os recebedores não tivessem com manteiga nas mãos, faria mais TD e seria fácil o MVP). Mas fico com o running back Pierre Thomas, que em 19 carriers correu para 71 jardas e anotou 1 touchdown.

Imagem do Jogo:

Não é do jogo em si, mas uma pequena homenagem ao vovô Favre:

New Orleans Saints vs Minnesota Vikings (week 1)

09/09/2010
Enfim, a NFL voltou! O New Orleans Saints entra em campo hoje para reeditar o último NFC champhioship game: encara o Minnesota Vikings, às 21h30, no Lousiana Superdome. A partida tem transmissão brasileira da ESPN.
Com o objetivo de retornar ao Super Bowl, apenas a vitória interessa no jogo de hoje, para mostrar a todos que os atuais campeões do SB estão na mesma sintonia e para começar a temporada com o pé direito (ou o braço direito, de Brees).

Prognóstico geral

Como foi o caso dos último anos, podemos esperar um ataque bastante potente, com Drew Brees variando seus recebedores. Os wide receivers Marques Colston, Devery Henderson, Lance Moore, Robert Meachem e Adrian Arrington, que fez uma ótima pré-season, e o tigh end Jeremy Shockey, devem dividir as recepções e os touchdowns nessa noite e por toda a temporada. No jogo corrido, Reggie Bush se prepara para ter o melhor ano de sua carreira, mas provavelmente deverá dividir as atenções com o versátil Pierre Thomas. Chris Ivory aparece para ser o RB#3, mas não deve participar do jogo de hoje por conta de uma lesão. A linha ofensiva segue sem grandes mudanças, e mais uma vez está pronta para ser o anjo da guarda de Drew Brees.
Na defesa, grande trunfo do Saints na última temporada (graças ao coordenador defensivo Gregg Williams), alguns problemas terão que ser superados para parar o forte jogo ofensivo dos Vikings. O safety Darren Sharper está na PUP List (joelho), e não jogará os primeiros seis jogos. Para seu lugar, entra Malcom Jenkins.
A maior fraqueza da defesa, sem dúvida, é o corpo de linebackers. Após a perda de Scott Fuijita, o Saints ainda não encontrou um substituto adequado. Clint Ingram, que foi adicionado ao roster da equipe, encontra-se na PUP List, e perderá os seis primeiros jogos, enquanto que Jonathan Casillas perderá toda a temporada por conta de uma lesão.Dunbar, Mitchel e Arnoux devem lutar pela posição, portanto, hoje, frente ao Vikings, deveremos ter uma grande rotatividade entre esses três jogadores. Fechando o clima tenso do nosso grupo de LB, o capitão Jonathan Vilma ainda está se recuperando de uma lesão na virilha contraída na pré-season, mas deverá jogar (não 100% fisicamente).
Já a linha defensiva segue quase intacta. Ancorado por Will Smith, grata surpresa na última temporada, a espera de ainda mais pressão para os quarterbacks adversários (Favre, tema-os!). A expectativa para o jogo de hoje, e para toda temporada, é de uma rotatividade bastante grande, entre Sedrick Ellis, Alex Brown, Anthony Hargrove, Jimmy  Wilkerson e Remie Ayodele.

As chaves do Jogo

Blitz vs Linha do Vikings: O Center John Sulivan perdeu os últimos treinos, e não deve entrar em campo no jogo de hoje. O que isso quer dizer? Mais facilidade para as incansáveis blitz e para a linha defensiva. A linha do Vikings mostrou uma certa melhora durante a pré-temporada, mas a perda de Sulivan deixará Favre mais desprotegido.
Brees vs Secundário dos Vikes: Os cornerbacks Chris Cook e Cedric Griffin e o safety Jamarca Sanford não demonstram nenhuma segurança para a secundária do Vikings. E com Brees em campo… bem, dispensa comentários sobre sua agressividade.
Variedades e imprevisibilidade: Como já citado anteriormente, o Saints tem um dos ataques mais versáteis da NFL. Todos WR são bem nivelados, aumentando a gama de opção para Brees. Além disso, temos Shockey, um belo TE. A defesa do Vikings é uma das melhores contra jogo corrido, mas engana-se quem pensa que Bush e Thomas não devem ser usados. Além das corridas, o Saints tem a famosa jogada Screen Pass, que já rendeu grandes TDs para Pierre Thomas e Reggie Bush (nessa ordem) e podem desmoronar qualquer defesa armada.
Favre vs Favre: Conseguirá Favre jogar em alto nível, mesmo perdendo boa parte dos treinamentos? Vale lembrar que o QB operou o tornozelo, e contra a agressiva linha defensiva do Saints, isso não é nada bom – todos se lembram dos hits aplicados no vovô no último duelo? Além disso, Favre está com sede de vingança: o próprio disse, na pré-season, que queria voltar para se vingar, que não queria ser lembrado como o homem que lançou para uma interceptação nos momentos decisivos da final da NFC. Esse sentimento de vingança pode ser usado contra Favre.
Lesões e responsabilidade: Favre perdeu seu principal homem, o wide receiver Sidney Rice. Além dele, Percy Harvin também teve sérios problemas de enxaquecas durante toda a pré-season, e não deve estar 100%. Com isso, a responsabilidade sobre o ótimo tigh end Visanthe Shiancoe deve aumentar, assim como sua marcação. Outro que terá que bater no peito e chamar mais ainda a responsabilidade, é o running back Adrian Peterson, mas para isso, o Sr. Fumble terá que segurar a bola com um pouco mais de força…
Marcar primeiro e ampliar o placar: Com exceção do jogo contra o 49ers, na última temporada o Vikings não conseguiu reverter nenhum placar adverso com uma boa diferença de pontos (mais de dois TDs). Por isso, é fundamental que o Saints marque primeiro, segure Favre, e amplie o marcador. Ninguém quer fortes emoções como no último confronto, logo na abertura da temporada…

Atenção, Saints!

Peterson: Apesar dos fumbles, Adrian Peterson é um monstro. Um dos melhores na posição. Alie isso ao fato da secundária do Saints estar totalmente desfigurada: poderemos ter problemas. O Vikings deverá utilizar muito os serviços de Peterson, criando uma bagunça para o Saints.
Revanche de Favre: Pode ser algo bom para o Saints, mas pode ser algo terrível se Favre acertar o braço. Como citei mais acima, Favre quer se vingar da final da NFC. Temos aqui uma faca de dois gumes.
Visanthe Shiancoe: É um dos melhores TE da NFL, e deverá ser bastante utilizado no jogo de hoje. E como todos sabem, os TE jogam quase que todo o jogo na zona dos linebackers, justamente onde o Saints tem os maiores problemas. Olho nele!
Jared Allen: Para mim, o melhor defensive end da liga. E que, conforme algumas entrevistas,  não gostou nada da comemoração feita por Tracy Porter na interceptação em cima do Favre no último jogo (Porter imitou a famosa comemoração de Allen). Ou seja, Allen também vai querer vingança, e isso sim pode ser um problema.

Lista de lesionados:

Minnesota:
RB-Toby Gerhart, joelho, fora
WR-Sidney Rice, quadril, fora
C- John Sulivan, ?, questionável
CB-Cedric Griffin, tornozelo, questionável
S- Jamarca Sanford, tornozelo, questionável
New Orleans:
RB- Christopher Ivory, tornozelo, fora
LB- Clint Ingram, cirurgia joelho, fora
LB- Jonathan Cassilas, joelho, fora
S- Darren Sharper, joelho, fora

Hamilton lesiona joelho e deve perder temporada

12/08/2010
A equipe médica do New Orleans Saints confirmou que o running back Lynell Hamilton sofreu uma ruptura no ligamento do joelho direito durante treino na última terça-feira. Ele foi colocado na lista de lesionados, e provavelmente não deve jogar nessa temporada, uma vez que a lesão requer um longo período de recuperação.
Hamilton era a aposta para substituir Mike Bell, sendo o terceiro running back da equipe. Agora a equipe conta com apenas quatro jogadores para a posição: Pierre Thomas, Reggie Bush além dos rookie PJ Hill e Chris Ivory.
Hamilton tentava a corrida pelo lado direito, quando plantou o pé direito no chão, e caiu. Assim ficou até os médicos da equipe chegarem, para carrega-lo para fora de campo. Uma pena para o jovem jogador (que na última semana completou 25 anos) que teria mais oportunidades nessa temporada.

New Orleans Saints at New England Patriot (pre-season/week1)

11/08/2010
QUANDO: Quinta-feira (12/07)
ONDE: Gillette Stadium
HORÁRIO: 20h30 (Horário de Brasília)
Assista pela internet:
MYP2P
Acompanhe play by play pelo Gamecenter da NFL:
Que os jogos comecem! Calma, o blog não perdeu seu sentido e passou a falar de cinema (SAW). É apenas a pre-temporada, mas nunca é cedo para começar os preview. O atual campeão do Super Bowl, o New Orleans Saints, vai até o Gillette Stadium para encarar o New England Patriots, do astro Tom Brady, pela primeira semana da pre-season da NFL. Sim, estamos de volta, amigos!
Após perder poucas peças importantes (leia-se Fujita), o Saints volta após uma offseason morna, sem muitos alardes. Nenhum problema de indisciplina (felizmente!), nenhum holdout de rookies (felizmente!), e apenas alguns pequenos problemas de lesões.
Todos estão confiantes em repetir o sucesso do último ano. A chegada de alguns bons jogadores (como o DE Alex Brown) e a escolha de alguns bons prospects no draft (como o TE Jimmy Grahan), dão ao Saints bos perspectiva de, pelo menos, chegar novamente aos playoffs. Sem contar, claro, com o talento do MVP do último Super Bowl, Drew Brees.
Para essa partida, Sean Peyton deve utilizar todos os rookies, conforme adiantou nas entrevistas dessa semana. Alguns jogadores ficarão de fora (como Darren Sharper, já confirmado por estar na PUP List), e outros devem ser poupados (segue lista abaixo). Claro que nós, torcedores, queremos um replay do último confronto entre Saints e Patriots, quando Brees conseguiu um rating perfeito e levou a equipe a vitória por 38 a 17.
PATRIOTS – Alvo favorito de Brady para chegar até a red zone, Wes Welker ainda não se recuperou de sua cirurgia no joelho, o que sugere que o sempre temido Randy Moss, jogador mais procurado em jogadas incisivas, seja mais acionado. Ou seja, Moss deve sofrer marcação dupla nesse confronto.
Enquanto que o Patriots passa por algumas remodelações, tanto por conta dos jogadores que chegaram quanto pelas novas funções técnicas, o Saints volta praticamente inalterado desde o último jogo.
Porém, o Patriots joga em casa, e eles são uma das equipes mais difíceis de serem batidas jogando com a torcida a favor. O que torna um jogo ainda mais aberto e sem muitas previsões de palpite, até porque, Sean Payton deverá testar muitos jogadores que chegaram à franquia nessa temporada.

OLHO NELES, SAINTS!

  • Claro, a dupla Tom Brady e Randy Moss, que tiveram juntos, na última temporada, 1264 jardas e 13 touchdowns.
  • Atenções devem estar redobradas com o DE Tully Banta-Cain, líder em sacks (10 no total) do Patriots.

PRESTEM ATENÇÃO!

  • O rookie Jimmy Grahan (TE) vem arracando suspiros de todos os presentes nos treinos do Saints, e pode ser um dos jogadores mais acionados nesse jogo.
  • O duelo entre os quarterbacks para decidir quem será o backup de Brees: Patrick Ramsey ou Chase Daniel.
  • A mudança de posição de Malcom Jenkins, que de cornerback, poderá pintar como safety durante essa temporada.
  • A estreia do DE Alex Brown, que se junta a Will Smith na posição e pode ser um grande reforço.

NÃO JOGAM:

Sharper e Hamilton estão fora. Porter, Robinson, Young, Igran, Shanle e Meachem podem desfalcar a equipe.

PALPITES DO BLOG:
Lucas Fontes: Saints 21 x 17 Patriots

Conheça o Jogador: Reggie Bush

07/08/2010

BIO

Nome: Reginald Alfred “Reggie” Bush II

Posição: Running Back

Idade: 25 anos

Draft: 20061ºRound – 2ª escolha – Saints

Universidade de Origem : USC

Carreira na NFL: 52 jogos, com 488 corridas, 260 recepções, contabilizando 3874 jardas e 28 touchdowns

Continuando com esta seção, um dos jogadores mais queridos e controversos do elenco: Reggie Bush. Selecionado em 2006, Reggie era uma promessa de idolo e da renovação do time proposta após o furacão Katrina. Nunca jogou no nivel esperado, mas sempre foi uma peça importante nas jogadas de Sean Payton, tanto correndo, recebendo ou retornando.

Reggie Bush começou a carreira na Helix High School, em La Mesa, California. Convidado pelo treinador Pete Carroll, Bush aceitou imediatamente jogar pela USC.

Em 2003, seu primeiro ano, Reggie conseguiu 1331 jardas totais,e  se tornou o vencedor do premio ESPN’s PAC-10 Newcomer Of The Year.

Em 2004, Reggie ficou em quinto no  Heisman Trophy, principal premiação do futebol universitario. Ele correu 980 jardas, e contabilizou 2330 jardas totais. Os numeros de Reggie eram tão incriveisque ele contabilizou tambem um passe para touchdown, de 53 jardas.

2005 foi seu principal ano na faculdade. Ganhou o Heisman Trophy, foi escolhido como jogador do ano pela imprensa especializada, alem de outros inumeros titulos. Reggie terminou a temporada com incriveis 223 jardas/jogo, sendo que 139 dessa correndo. Bush iniciou apenas 14 das 39 partidas que participou, mas é o decimo jogador da historia do college americano em jardas totais, com 6541 jardas.

POLEMICAS

Pouco antes do Draft de 2006, Reggie e sua familia foram acusados de receber presentes de empresarios, o que é proibido pelas norma da NCAA.

Em junho de 2010 a NCAA se pronunciou, dando o veredicto de que a USC era culpada, tanto pelo caso de Reggie quanto do jogador de basquete OJ Mayo. A faculdade, em represalia, devolveu o Heisman Trophy ganho pelo running back,e  desligou os dois jogadores de qualquer ligação com a escola.

CARREIRA PROFISSIONAL

Em 2006, Reggie Bush se declarou elegivel para o Draft, e especialistas o colocavam como a primria escolha geral, sendo escolhido pelo Houston Texans. Porem, o time texano surpreendeu a todos e selecionou o defensive end Mario Williams, da North Carolina State. Após a surpreendente escolha, o New Orleans Saints não pensou duas vezes e selecionou Reggie com a segunda escolha do Draft.

A chegada de Reggie Bush causou tal alvoroço nos torcedores, que 15.000 camisas foram encomendadas com o nome do jogador, antes mesmo de seu numero ser escolhido. Numa tentativa de um golpe de marketing, o New Orleans Saints pediu a NFL que Reggie usasse o numero 5, mesmo que havia usado na NCAA. Quando recebeu a negativa da liga, reggie decidiu usar o numero 25, herdado do jogador Fred McAfee. Em acordo pela troca do numero, Reggie doou metade do valor ganho com vendas da camisa para desabrigados do Furacão Katrina.

A temporada de estreia de Reggie foi surpreendente. Sendo o segundo RB da equipe, conquistou 565 jardas correndo, alem do otimo numero de 742 jardas recebidas. Junto com Deuce McAllister e Drew Brees, Bush levou o Saints a final da NFC, onde o time foi surpreendido pelo Chicago Bears, pelo placar de 16 – 14. Nessa mesma partida acontece uma memoravel corrida de 80 jardas de Reggie Bush, onde o jogador mostra o dedo para Brian Urlacher antes de parar, na end zone.

Em 2007  Reggie continuou no mesmo ritmo, e conseguiu 581 jardas corridas, e 417 recebidas, alem de 6 touchdowns. O jogador ainda perderia as ultimas 4 partidas da temporada pora causa de uma lesão no joelho esquerdo.

2008 foi outro ano em que Reggie teve seguidas lesões, o que diminui seu aproveitamento. O jogador conseguiu apenas 440 jardas corridas,e  anotou outras 440 jardas recebendo. Em 7 de janeiro de 2009 o jogador foi submetido a uma cirurgia no joelho, que o afastaria por muitos meses. Surpreendentemente, Reggie estava presente nos training camp do mesmo ano.

No começo de 2009 Bush continuava com problema em seu joelho esquerdo. Ele perdeu 3 jogos da pré temporada, alem dos jogos 11 e 12 por conta de seu problema. Dividindo as jogadas com Pierre Thomas e Mike Bell, Bush experimentou sua pior temporada em números: marcou apenas 8 touchdowns, correu 390 jardas,e  reccebeu 355, mas foi importantissimo na campanha do Super Bowl, principalmente na partida contra o Arizona Cardinals, nos playoffs.

Reggie, além de premios, coleciona participações na midia. Por conta de sua ex-namorada Kim Kardashian, o jogador é figura frequente de tabloides. Ele ainda participou do clipe da musica Like a Boy, da cantora Ciara.

Qual importancia de Reggie Bush para o New Orleans Saints? Deixe seu comentario!